HOME 1    portugu√™s    HOME 2


Restaurant Palmyra

Harald Renner

Com passos rápidos, Wolfgang tinha atravessado os jardins das termas invernais de Bad Homburg. Agora estava a congelar e a desejar calor, luz de velas e o aroma de ervas e especiarias mediterrânicas. Tirando as suas botas de neve, ele atirou-se a tufos de neve quando chegou à porta de entrada do restaurante "Palmyra". Um ligeiro brilho de luz filtrado no exterior através de uma abertura na cortina. Ouviu vozes abafadas e o barulho dos pratos.

"Aproxima-te, meu amigo", Thomas, o senhorio, cumprimentou-o e fechou a porta atrás dele. "É o nosso único convidado de hoje. Sabine também está desejosa de o ver".

"É verdade", a sua esposa concordou com ele. "Tira o teu casaco e põe-te à vontade! Chegou mesmo a tempo. Um pouco de alegria vai fazer-nos bem hoje".

Esat apareceu da cozinha, equilibrando um tabuleiro prateado de deliciosos hors d'oeuvres cheirosos. Ele levantou os ombros. "Eu não falo bem alemão. Demasiado difícil".

"Não", protestou Wolfgang. "Fica cada vez melhor. Que bom vê-lo novamente!"

O jovem cozinheiro pousou o tabuleiro sobre a mesa lateral e apontou para a comida. "Muhamara, uma pasta de pimenta e nozes, e warak inab, folhas de videira recheadas. Foi sempre assim que começámos a refeição. Em Damasco, antes da guerra".

"Apreciem-na!" incitou Sabine com uma voz ocupada. Em vez de pegar na sua faca e garfo, ela soprou para dentro do seu lenço. "Por favor, desculpem-me!"

Wolfgang olhou para ela. "Não precisa de pedir desculpa. As coisas estão assim tão más consigo?"

O anfitrião tomou conta da conversa. "Sim, é pior do que mau. Há seis semanas atrás estávamos à espera de uma solução, lembras-te? Mas agora as nossas dívidas continuam a crescer. Os negócios estão a ficar difíceis, mesmo para outros restaurantes. O proprietário quer renovar. Ele ofereceu-nos um novo contrato de arrendamento, mas tivemos de recusá-lo. Demasiado caro para nós. Estamos a desistir, vai acabar na viragem do ano".

"Eu previa isto. Queres ficar aqui?"

"Gostaríamos", interveio Sabine, "mas já não temos dinheiro para tudo em Frankfurt". Temos estado a olhar para um apartamento de dois quartos no distrito de Vogelsberg. Isso pode funcionar".

Esat apareceu com uma garrafa de Syrah vermelho profundo de Bargylus, apresentou o rótulo e deixou o anfitrião prová-lo. "Sim, é bom!"

Quando a cozinheira tinha desaparecido novamente, Sabine pegou no fio. "Também nos perguntamos o que será de Esat. Ele chegou aqui há quatro anos, sozinho. Há muito tempo que não tem notícias da sua família em casa, vai ter dificuldade em encontrar um novo emprego".

O cozinheiro sírio estava agora sentado à mesa, e os quatro apreciaram cada novo prato com um bom apetite. Quando Esat trouxe o falafel em molho de borrego, seguido pelo robalo em molho de sésamo e lima, e terminou com uma selecção de sobremesas requintadas e uma moca de cheiro forte, o seu entusiasmo infectou toda a gente. Sem sequer dar por isso, explicou os pratos na sua língua materna e todos compreenderam o seu significado.

Agora, outros tópicos dominavam agora a conversa. O precioso vinho ajudou a soltar as línguas. Finalmente, Wolfgang perguntou que tinha estado a arder na sua mente em cada reunião, tantas vezes nos últimos anos.

"Diz-me, Thomas, como está a tua saúde?"

"Muito bem", respondeu o anfitrião.

Sabine tocou no seu antebraço. "Deixa estar, Wolfgang pode saber, não pode ele? O meu marido não está bem. Desde o acidente, ele tem tido dificuldade em respirar. Já dura há cinco anos. Falta-lhe um pulmão. É por isso que ele já não pode trabalhar na cozinha, apenas em serviço e facturação".

Wolfgang hesitou. "Posso fazer-lhe mais uma pergunta?"

"Vá em frente", o senhorio encorajou-o.

"A questão do acidente". Eu sei que não fala sobre isso. Mas há muito tempo que me pergunto o que aconteceu na altura. Foi um acidente de viação? Pergunto como seu amigo, não por curiosidade".

Depois de um longo silêncio, Sabine veio com a história completa.

"Não foi um acidente de viação, e foi publicado em muitos jornais. O meu marido é o meu herói, corajoso, bondoso e idiota. Ele salvou a vida do rapaz e pagou por ela".

O que aconteceu então veio agora à luz. O ataque de cinco jovens na principal estação ferroviária de Frankfurt. Sem causa, por desejo de violência nua. O rapaz de dezassete anos no chão com o rosto coberto de sangue. Os pontapés com a bota saltitante apontados para a cabeça do rapaz. E depois Thomas no meio, com um grito estridente. Que se agarrou ao primeiro e bateu com o joelho entre as pernas. Depois os outros, que atacaram Thomas, bateram-lhe uma e outra vez até ele perder a consciência. Os atacantes fugiram quando soou a primeira sirene da polícia. Nunca apanharam nenhum dos culpados.

Wolfgang deixou as palavras afundar-se. Depois ele queria saber se o rapaz ou a sua família tinham alguma vez agradecido ao salvador.

"Agradeceu-lhes, sim", respondeu Sabine. "Eles escreveram uma carta comovente e sugeriram uma reunião, mas nós não queríamos isso. Petrificou o meu marido. Até hoje, ele não quer ser recordado do acto horrendo. Não, nós não conhecemos as pessoas".

Wolfgang pressentiu que os três queriam agora ficar sozinhos. Com palavras sinceras, ele agradeceu-lhes pela maravilhosa refeição. Como despedida, tirou uma carta do bolso interior do seu casaco e colocou-a sobre a mesa de jantar. "É da minha mulher. Ela envia o seu amor".

Meia hora depois, tinham arrumado o restaurante e lavado pratos, copos e pratos. Sabine descobriu a carta e rasgou o envelope.

Ao ler as poucas linhas, as palavras desfocaram-se diante dos seus olhos cansados, que se encheram de lágrimas. O seu corpo veio para descansar. Ela sentiu os longos meses de tensão e preocupação dissolverem-se.

A carta foi breve.

"A nossa empresa está a ir bem, e todos os anos temos sido capazes de poupar mais para si. Ontem falámos com o seu proprietário e resolvemos tudo. Não se preocupe mais, fica com o restaurante. O nosso filho Sebastian está mortinho por conhecer o homem que lhe salvou a vida há cinco anos na Estação Central de Frankfurt. Nunca o esqueceremos. Feliz Natal para todos vós"!

Impresso       Privacidade     Imaginens: www.pixabay.com